Prefeitura inicia atividades do Hospital de Combate à Covid-19

Com a unidade, Senador Canedo ganha seus 11 primeiros leitos de UTI específicos para
o tratamento de pacientes do novo coronavírus e dobra os leitos clínicos de enfermaria

Com 11 leitos de UTI específicos, os primeiros do município, a Prefeitura inaugura nessa quarta-feira (10/02), o Hospital de Combate à Covid-19. Trata-se de uma ampla estrutura, montada no Hospital de Senador Canedo, região central, que terá ainda 20 leitos clínicos de enfermaria – todos equipados com monitores e respiradores –, dobrando a capacidade atual. O espaço foi liberado para entrar em funcionamento na tarde da terça-feira (09.02), após visita técnica que contou com a presença da secretária municipal de Saúde, Fabiana Lopes.

O Hospital também terá um pronto-socorro 24 horas específico para o combate à pandemia. Nele serão realizados a testagem do novo coronavírus, exames de imagens, Raio X e tomografia, o que confere mais qualidade e assertividade no diagnóstico e na sequência do tratamento dos pacientes. Enquanto os leitos de UTI e enfermagem fazem parte de uma parceria do Município com Estado e Gestão Goiana Hospitalar Ltda, o pronto-socorro é um empreendimento exclusivo da Prefeitura, como forma de assegurar assistência à população em tempo integral.

“Estamos atentos às necessidades da cidade e trabalhando em várias frentes, com orientação, imunização e estruturação da rede para oferecer serviços cada vez mais completos”, diz a secretária municipal de Saúde, Fabiana Lopes. Segundo ela, o Hospital de Combate à Covid-19 é um reforço significativo para a rede e vai ajudar na organização dos fluxos de outras unidades como a UPA, na região Central, e o Pronto-Socorro do Parque Alvorada.

A Prefeitura de Senador Canedo também planeja realizar testagem ampliada nos principais bairros da cidade, identificando casos positivos de Covid-19, mesmo entre pessoas assintomáticas. Segundo Fabiana Lopes, a ação está prevista para a próxima sexta-feira, 12, no Centro, Jardim das Oliveiras e a Vila Galvão. “Estamos monitorando as três regiões e o trabalho será desenvolvido levando em conta os espaços com mais casos da doença. Trata-se de uma estratégia volante, na qual a Saúde vai aos locais para evitar aglomeração”, explica Fabiana.

Foto: Xande Manso