Na Maternidade Municipal de Senador Canedo, agora, a fila anda

“Estava na fila desde o ano passado esperando para operar. Essa semana a equipe me ligou, foi uma grande surpresa. Fui muito bem tratada e estou muito feliz”. A declaração é da senhora Natalina Duarte, 57, que há tempos sofria com uma hemorragia e foi orientada pelo médico a retirar o útero. A cirurgia foi realizada na tarde da quarta-feira (03/02), na Maternidade Municipal de Senador Canedo.

A sensação de alívio da Natalina é compartilhada por Suely Xavier, 54, outra paciente a ver acabar a espera pela cirurgia. “Desde o ano passado, durante consulta de rotina no PSF, descobri que precisaria fazer raspagem no útero para biopsia. Essa semana ela aconteceu. Quando me ligaram fiquei muito feliz. Esperar tanto tempo foi ruim, mas graças a Deus tudo ocorreu bem”, relatou a costureira, moradora do Conjunto Habitacional Nova Morada.

Natalina e Suely foram as primeiras pacientes que aguardavam cirurgias ginecológicas como histerectomias, curetagem e laqueaduras, atendidas em 2021. Retomadas essa semana, as intervenções serão realizadas sempre às quartas e sextas-feiras, no período da tarde. Inicialmente, em um total de 16 por mês. “Mas, a partir de março, queremos dobrar esse número, chegando a oito por semana, o que seria o ideal considerando nossa capacidade”, explica Johny Carter Rodrigues Soares, diretor administrativo da Maternidade Municipal.

Johny Carter ressalta que há hoje no município uma lista de espera que contabiliza cerca de 200 mulheres. Além das naturais dificuldades trazidas pela pandemia da Covid-19, essa demanda reprimida tem uma derivação administrativa. “Faltavam anestésicos, analgésicos, antibióticos, água destilada, agulha de raquianestesia e papel crepado, por exemplo”, diz Johny Carter, acrescentando que, com essa etapa já superada e os insumos chegando em volume crescente, o objetivo da Secretaria de Saúde passa a ser zerar a fila de espera.