IAMESC é autorizado a custear tratamento de Gabriella em São Paulo

Decisão da justiça permite que o plano pague pelo tratamento da servidora e de sua filha, Elisa. Pagamento será concluído na segunda, 8

Após diversas decisões judiciais, o Instituto de Assistência Médica de Senador Canedo (IAMESC) agora tem autorização para custear integralmente o parto da servidora Gabriella Castro Silva e também o tratamento de sua filha, Elisa, no Hospital da Beneficência Portuguesa, em São Paulo.

A decisão do Desembargador Itamar de Lima, do Tribunal de Justiça de Goiás, proferida neste sábado (06/02), concedeu ao IAMESC a permissão da justiça para realizar o pagamento iao hospital. Devido às regras bancárias, o pagamento deve ser realizado no próximo dia útil, ou seja, a partir das 8 horas da próxima segunda-feira (08/02).

A presidente do instituto, Eliete Gonçalves, informou ao Hospital e também ao TJ/GO da impossibilidade sistêmica para a realização do pagamento ainda neste sábado. O IAMESC solicitou ao hospital que, caso a paciente entre em trabalho de parto nas próximas 48 horas, o mesmo seja realizado com a garantia de pagamento na segunda-feira.

Entenda o caso

Gabriella é servidora do município de Senador Canedo e contribuinte do Instituto de Assistência Médica de Senador Canedo – IAMESC. Gestante de 39 semanas, ela aguarda a chegada da primeira filha, Elisa.

A bebê foi diagnosticada com a síndrome de Hipoplasia do Coração Esquerdo (SHCE), conhecida como meio-coração, e vai necessitar de tratamento intensivo logo após o nascimento.

Em busca deste tratamento para a criança, a mãe se deslocou de Senador Canedo até a cidade de São Paulo, para que os primeiros procedimentos pós-parto fossem realizados no Hospital da Beneficência Portuguesa.

Como o alto custo não é coberto pelo plano, Gabriella recorreu à justiça para garantir o pagamento do parto e do tratamento da bebê. Em decisão, a justiça concedeu limitar favorável à mãe, e determinou o pagamento integral dos procedimentos. Mas, uma liminar em favor do IAMESC proibiu o plano de saúde de efetuar o pagamento ao Hospital Paulista, uma vez que o mesmo tratamento de que Elisa necessita poderia ser realizado em Goiânia, no Hospital da Criança.

O IAMESC sempre buscou dar solução para a realização dos procedimentos que garantam a saúde de Gabriela e de Elisa. Com a nova decisão judicial, enfim, o instituto tem permissão para custear o tratamento de mãe e filha.